segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Marinha abre 698 vagas de nível técnico para praças


Novo concurso para ingresso no corpo de auxiliar de praças da Marinha foi lançado nesta sexta-feira (23/8) no Diário Oficial da União. Para concorrer a uma das 698 vagas é necessário ter nível médio/técnico e idade entre 18 e 25 anos.

A maioria das chances é para técnicos em administração (149), em enfermagem (129) e em secretariado (50). As demais chances são distribuídas nas especialidades de administração hospitalar, contabilidade, desenho de arquitetura, desenho mecânico, edificações, eletrônica, eletrotécnica, estatística, estruturas navais, geodésia e cartografia, gráfica, higiene dental, marcenaria, mecânica, metalurgia, meteorologia, motores, nutrição e dietética, patologia clínica, processamento de dados, prótese dentária, química, radiologia médica e telecomunicações.

As inscrições já se encontram abertas e assim seguem até o dia 23 de setembro, pelos sites www.ensino.mar.mil.br ou www.ingressonamarinha.mar.mil.br. A taxa custa R$ 20. Haverá prova objetiva e de redação (com data ainda a ser definida), inspeção de saúde, teste de aptidão física, avaliação psicológica e verificação de documentos e dados biográficos.

Além de Brasília, as provas serão realizadas nas cidades de Vila Velha/ES, Rio de Janeiro, Salvador, Natal, Olinda/PE, Fortaleza, Belém, São Luís, Rio Grande/RS, Porto Alegre, Florianópolis, Ladário/MS, São Paulo, Manaus e Santos/SP.

O candidato aprovado nessas fases será matriculado no curso de formação a ser ministrado no Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA), no Rio de Janeiro/RJ - com início em 1º de agosto de 2014 e duração de 17 semanas -, como praça especial, no grau hierárquico de grumete. Se aprovado no curso, o candidato será nomeado cabo.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

24 mil vagas estão abertas para estudantes que sonham com estabilidade

  

"Estou em busca do que quero: a estabilidade. É por ela que estou me esforçando tanto", diz Paula Dominici, enfermeira e estudante 

A promessa do governo de conter gastos não inibiu a realização de concursos públicos em todo o país. Apesar do anúncio oficial, no mês passado, de que algumas contratações teriam de ser adiadas, as oportunidades para quem sonha com a tal carreira estável continuam crescendo. Entre certames municipais, estaduais e nacionais com editais lançados, somam-se 24.472 vagas disponíveis para diferentes cargos e níveis de escolaridade.

A semana começa com a abertura das inscrições, com taxa de R$ 120, para o concurso de auditor federal de controle externo do Tribunal de Contas da União (TCU). Serão oferecidas 29 vagas para uma das funções mais desejadas no Poder Legislativo. A prova, organizada pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe), é bastante aguardada pelos concurseiros de nível superior, atraídos pelo salário inicial de R$ 12.076,90.

No âmbito nacional, o menor salário oferecido é o de auxiliar de laboratório
da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF): R$ 1.296,45. As inscrições para a prova que selecionará somente três pessoas também começam hoje. Em casos como o de procurador do Banco Central, a remuneração chega a R$ 15.719,13. Os formados em direito interessados em uma das 15 cobiçadas oportunidades têm até a próxima quinta-feira para garantir lugar na disputa.

Este mês, dois dos mais concorridos certames do país foram lançados, o que têm agitado os cursinhos preparatórios. Na última sexta-feira, iniciaram as inscrições para a prova que selecionará 263 novos técnicos e analistas do Ministério Público da União (MPU), com salários de R$ 4.575,15 e R$ 7.506,54, respectivamente. Já o Banco Central vai contratar 500 técnicos e analistas, com remuneração de até R$ 14.289,24. As inscrições começam na próxima quinta-feira.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

MPU abre inscrições nesta sexta para 263 vagas; salários de até R$ 7,5 mil



Os interessados em concorrer a uma das 263 vagas ofertadas pelo Ministério Público da União (MPU) podem realizar a inscrição a partir das 10h desta sexta-feira (16/8) até o dia 25 de agosto, pelo sitewww.cespe.unb.br/concursos/mpu_13_2. A taxa é R$ 80 para analista e R$ 60 para técnico.

Inicialmente, o órgão anunciou que seriam ofertadas 262 vagas. No entanto, em retificação publicada ontem (15/8), o concurso acrescentou mais uma chance ao cargo de analista. De acordo com o edital de abertura, o certame conta ainda com cadastro reserva, além de separar 16 chances para candidatos com deficiência. Os cargos ofertados são de analista e de técnico do MPU, com salários de R$ 7.506,54 e R$ 4.575,15, respectivamente. O Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB) é a banca organizadora do certame.

Para concorrer ao cargo de analista - com oferta de 226 chances - o candidato deve ter diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação de nível superior. Algumas especialidades pedem ainda registro profissional na área de interesse. As vagas são distribuídas em diferentes áreas de atividade e com diversas especialidades, entre elas: arquivologia, biblioteconomia, comunicação social, educação, estatística, clínica médica, psiquiatria, arquitetura, contabilidade, economia, engenharia civil, geografia, oceanografia e odontologia.

Já para o cargo de técnico são disponibilizadas 37 oportunidades, nas áreas de atividade de apoio técnico-administrativo e saúde, para várias especialidades. É necessária conclusão de nível médio ou curso técnico, entre outros requisitos que devem ser conferidos para cada vaga.

De acordo com o edital de abertura, o certame possui duas etapas, a serem realizadas nas 26 capitais e no Distrito Federal. A primeira, para todos os cargos, será de provas objetivas. Já a segunda, de provas discursivas, ocorre somente para os candidatos que concorrem aos postos de analista. A data provável de realização da primeira etapa é dia 6 de outubro.

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Cerca de 20 concursos do Executivo federal devem ser adiados


Com o contingenciamento de R$10 bilhões em gastos da máquina pública anunciado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão em 22 de julho, muitos concursos públicos ficaram ameaçados, e os candidatos, apreensivos. Segundo o comunicado feito pela ministra Miriam Belchior, um quarto desse corte — ou seja, R$2,5 bilhões — atingirá as despesas com contratação de pessoal. Cerca de 20 processos seletivos de 16 fundações, autarquias ou órgãos da administração direta que estavam previstos para acontecer em 2013 foram engavetados, de acordo com levantamento feito com base na planilha de concursos previstos para este ano elaborada pela Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac). Outros 21 concursos de 19 órgãos que já estavam autorizados para este ano devem ocorrer, mas a maior parte dos aprovados só será convocada em 2014 (veja o quadro). 

O Ministério do Planejamento informou que o ajuste nas despesas do governo foi orientado para reduzir o custeio administrativo e preservar programas prioritários, como o Minha Casa Minha Vida e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A partir de agora, novas convocações de servidores só estão liberadas para as áreas de meio ambiente, educação, prevenção a desastres naturais e infraestrutura. Ainda assim, os órgãos que desejarem realizar as contratações terão que enviar solicitações para o ministério. 

Um exemplo é o concurso realizado em julho para o Ministério da Integração Nacional. A pasta ainda aguarda autorização formal para fazer as contratações. Os aprovados, no entanto, demonstram insegurança quanto ao concurso. Christiane Valladares, 30 anos, foi selecionada para o cargo de analista técnico administrativo. Por medo de não ser chamada, decidiu continuar a estudar para seleções de outros órgãos, como o Ministério Público da União (MPU). “Tenho medo de não ser chamada, porque o corte de gastos estabeleceu a Defesa Civil como área prioritária para convocação, mas o meu cargo é administrativo. Tinha esperança de ser convocada agora. O jeito é continuar estudando”, comenta. Ela também critica o corte de gastos. “Esse corte não faz sentido: se o governo não nos convoca, vai ter que gastar mais com terceirizados, que são caros”, acrescenta. 

Em nota, a assessoria de imprensa do Ministério da Integração afirma que o concurso não será diretamente afetado pelo corte do Planejamento, pois o certame trata da substituição de profissionais terceirizados, autorizada por Termo de Conciliação Judicial pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). A previsão do ministério é de convocar os novos servidores até o fim de agosto. As demais instituições que não estão entre as áreas privilegiadas terão que aguardar previsão de recursos no Orçamento Federal de 2014, a ser enviado para a Câmara dos Deputados em 31 de agosto. 

Terceirização 
Esta não é a primeira vez que a tesourada do Ministério do Planejamento passa pela contratação de pessoal. Em 2011, o governo cortou 50% do orçamento destinado para a área, anulando 22 mil vagas em concursos federais. “Na época, quase todos os concursos foram cancelados, muitos cursinhos faliram e vários concursandos que passaram meses estudando ficaram no prejuízo. Teve gente que só chegou a ser chamada no ano passado”, conta a diretora executiva da Anpac, Maria Thereza Sombra. 

Para a associação, a retenção de gastos por meio da anulação de certames é discutível, pois aumenta os custos com terceirizações. A entidade estima que existam 180 mil vagas disponíveis na máquina federal. “O corte de gastos não poderia cair em setores estratégicos, como a contratação de pessoal. O governo começará a contratar terceirizados para suprir a demanda dos órgãos, o que sai ainda mais caro. É obrigação de um regime democrático fazer seleções”, critica Maria Thereza. 

Por meio da assessoria de imprensa, o Ministério do Planejamento informou que o corte se fez necessário porque “a situação é de austeridade”. Segundo o governo, o contingenciamento de R$ 10 bilhões tem como objetivo fazer uma reserva para uma possível frustração do resultado primário dos estados e municípios — previsto para R$ 47,8 bilhões neste ano. 

O Ministério da Fazenda foi um dos principais afetados com o corte de gastos, com uma economia de R$ 990 milhões. De acordo com a Anpac, existe um deficit de 4 mil servidores na pasta — estimativa não confirmada pelo ministério. Entretanto, dois certames foram atingidos. O de analista de políticas públicas (gestor), que ocorre neste domingo, se manteve, mas as convocações só acontecerão no ano que vem. Outro é o de analista de finanças de controle, realizado este ano. Os 255 aprovados só serão convocados para o curso de formação, previsto para novembro, após autorização do Planejamento. 

Além do Executivo
Para especialistas, os concurseiros não devem desanimar com o corte de gastos. De acordo Maria Thereza Sombra, é preciso continuar a preparação. “Os candidatos devem ficar confiantes, continuar estudando. Mesmo com o corte, não é possível que todos os órgãos fechem para balanço”, comenta. 

O diretor-presidente da escola preparatória Gran Cursos, José Wilson Granjeiro, ressalta que o corte afeta os concursos apenas do executivo federal. “O que eu percebi foi uma mudança de foco. Os concurseiros vão começar a olhar para os processos seletivos de outras esferas, como o Legislativo e o Judiciário. Além disso, temos uma oferta de 20 mil vagas dos concursos que já estavam autorizados pelo planejamento. O candidato não deve desanimar”, afirma. Para o diretor, uma boa aposta para os concurseiros são os certames das áreas de infraestrutura, segurança e educação. 

Fabiano Borba, 33 anos, está se preparando há seis meses para o concurso de gestor do Ministério da Fazenda. Mesmo sabendo da medida de retenção de gastos federais, ele não desanima. “Se você for aprovado, já estará pronto para ser chamado. O importante mesmo é passar”, afirma o concurseiro. 

“O corte de gastos não poderia cair em setores estratégicos, como a contratação de pessoal. O governo começará a contratar terceirizados para suprir a demanda dos órgãos, o que sai ainda mais caro” 
Maria Thereza Sombra, diretora executiva da Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Seleção com 546 chances para a Cidade Ocidental é cancelada


Após suspensão temporária, o processo seletivo com 546 oportunidades para a Prefeitura da Cidade Ocidental, em Goiás, foi cancelado. Nesta segunda-feira (5/8) deverá ser disponibilizado edital de restituição no site da prefeitura para orientar candidatos sobre como proceder quanto ao ressarcimento das taxas de inscrição. Em resposta ao portal, a assessoria da prefeitura afirmou que novo concurso público será aberto em 2014.
 
O processo havia sido suspenso temporariamente após desentendimentos entre representantes da prefeitura e membros do Ministério Público de Goiás (MPGO). O MPGO questionou a necessidade de selecionar novos professores, visto que aprovados em seleção anterior poderiam ser aproveitados para preencher as vagas. Após reunião entre as duas partes, foi celebrado Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), no qual ficou definido que vagas definitivas para professores serão preenchidas por candidatos aprovados em concurso finalizado em 2012; para vagas temporárias, serão aproveitados aqueles que passaram em processo seletivo realizado anteriormente. Para as demais carreiras do processo será permitida contratação direta, de acordo com as necessidades da prefeitura.
 
O concurso
O processo previa contratação de 546 pessoas, com oportunidades para todos níveis de escolaridade. Organizada pelo Instituto Brasileiro de Educação e Gestão (Ibeg), seleção dos candidatos seria feita por meio de prova de títulos e experiência profissional. Os salários variaram de R$ 678 a R$ 1.723,70.
 
As carreiras disponíveis eram diversas: auxiliar de serviços administrativos, auxiliar de serviços operacionais, guarda patrimonial, lubrificador, merendeira, motorista de veículos pesados, pedreiro, serralheiro, auxiliar de serviços gerais, agente administrativo, almoxarife, fiscal de vigilância ambiental, técnico agropecuário, técnico em orçamento e finanças, topógrafo, assistente social, biólogo, engenheiro-agrônomo, engenheiro de trânsito, professor do 1º ao 5º ano nas áreas de pedagogia, educação física e letras/inglês; professor do 6º ao 9º ano nas disciplinas matemática, história, geografia, ciências, educação física, letras/língua portuguesa e psicólogo.

FUB aumenta oferta para 257 vagas e abre inscrições hoje


A Fundação Universidade de Brasília (FUB) publicou retificação aumentando o número de vagas do concurso que antes oferecia 236 vagas e agora tem 257 oportunidades abertas. De acordo com o edital, o período de inscrições está aberto a partir desta segunda-feira (5/8) pelo site www.cespe.unb.br/concursos/fub_2013, até 26 de agosto. As taxas variam de R$ 38 a R$ 78.

Houve aumento de 21 oportunidades no total no cargo de assistente em administração (de 110 vagas para 122), administrador (de 1 para 2 vagas); analista de tecnologia da informação (de 3 para 4 vagas), arquivista (de uma vaga para 2), assistente social (de 5 para 6 chances), contador (de 5 para 6 chances), técnico em audiovisual (de 2 para 5) e auxiliar em administração (de 29 vagas para 30). Veja aqui a retificação completa.

Há chances para níveis fundamental, médio e superior. O Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB) é a banca organizadora do certame. Os salários variam de R$ 1.547,23 a R$ 3.138,70.

Para quem tem graduação, os cargos oferecidos são: administrador, analista de tecnologia da informação, arquiteto e urbanista, arquivista, assistente social, auditor, bibliotecário/documentalista, contador, estatístico, físico, jornalista, médico do trabalho, psiquiatra, pedagogo, secretário-executivo e técnico em assuntos educacionais.

Já para quem possui nível médio os postos são: administrador de edifícios, assistente em administração, mestre de edificação e infraestrutura, técnico de tecnologia da informação, técnico em agropecuária, técnico em audiovisual, técnico em segurança do trabalho e tradutor e intérprete de sinais.

Quem tem nível fundamental, por sua vez, pode entrar na disputa pelas vagas de auxiliar de veterinária e zootecnia e auxiliar em administração. Os aprovados serão lotados nos campi do Plano Piloto, Ceilândia, Gama ou Planaltina. Cinco por cento das vagas é reservado a pessoas com deficiência.

Haverá prova objetiva e discursiva no dia 13 de outubro. Candidatos ao cargo de tradutor e intérprete de sinais ainda farão prova prática.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Polícia Civil do Distrito Federal abre concurso com 300 vagas para agentes


 
Finalmente, após autorização publicada em janeiro deste ano, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) divulgou nesta sexta-feira (2/8) o edital de abertura de seu novo concurso público. Como divulgado pelo portal, são oferecidas 300 oportunidades e formação de reserva de até 600 oportunidades para o posto de agente de polícia. 

O Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB) é a banca organizadora.

Segundo o documento normativo, o salário para o posto é de R$ 7.514,33, referente a 40 horas semanais de trabalho. Para participar é preciso ser formado em qualquer curso de nível superior e ter carteira nacional de habilitação de categoria 'b'. Quinze chances são reservadas a pessoas com deficiência.

Quem quiser concorrer deve se inscrever pelo site www.cespe.unb.br/concursos/pc_df_13_agente, até 14 de outubro. A taxa custa R$ 210.

Haverá provas objetivas e discursivas no dia 10 de novembro, com questões de língua portuguesa, noções de informática, raciocínio lógico, atualidades, noções de direito constitucional, administrativo, penal, processual penal, legislação específica e penal extravagante. 


Além de capacidade física, avaliação psicológica, sindicância de vida pregressa, investigação social, avaliação de títulos e curso de formação profissional.

Publicidade

Publicidade

Usuários online

Publicidade